Confira nosso Instagram

O que é Depressão

Entenda melhor uma das doenças mais debilitantes do século.

A depressão (transtorno depressivo maior) é uma doença médica comum e grave que afeta negativamente como você se sente, pensa e age. Felizmente, também é tratável. A depressão causa sentimentos de tristeza e/ou perda de interesse em atividades que antes você gostava. Pode levar a uma variedade de problemas emocionais e físicos e pode diminuir sua funcionalidade no trabalho e em casa.

Os sintomas da depressão podem variar de leve a grave e podem incluir:

  • Sentir-se triste constantemente
  • Perda de interesse ou prazer em atividades antes apreciadas (anedonia)
  • Alterações no apetite – perda ou ganho de peso expressivos
  • Problemas para dormir ou dormir demais
  • Perda de energia ou aumento da fadiga
  • Aumento da atividade física sem propósito (p.
  • Sentir-se inútil ou culpado
  • Dificuldade em pensar, concentrar-se ou tomar decisões
  • Pensamentos de morte ou suicídio

Os sintomas devem durar pelo menos duas semanas e devem representar uma mudança em seu nível anterior de funcionamento para um diagnóstico de depressão.

Além disso, condições médicas (por exemplo, problemas de tireoide, tumor cerebral ou deficiência de vitaminas) podem simular sintomas de depressão, por isso é importante descartar causas médicas gerais. Aqui fazemos uma avaliação completa do nosso paciente.

A depressão afeta cerca de um em cada 15 adultos (6,7%) em um determinado ano. E uma em cada seis pessoas (16,6%) experimentará depressão em algum momento de sua vida. A depressão pode ocorrer a qualquer momento, mas, em média, aparece pela primeira vez no final da adolescência até meados dos 20 anos. As mulheres são mais propensas do que os homens a sofrer de depressão. Alguns estudos mostram que um terço das mulheres experimentará um episódio depressivo maior em sua vida. Existe um alto grau de hereditariedade (aproximadamente 40%) quando parentes de primeiro grau (pais/filhos/irmãos) apresentam depressão.

Depressão é diferente de tristeza ou luto/luto

A morte de um ente querido, a perda de um emprego ou o fim de um relacionamento são experiências difíceis para uma pessoa suportar. É normal que sentimentos de tristeza ou pesar se desenvolvam em resposta a tais situações. Aqueles que experimentam perdas muitas vezes podem se descrever como “deprimidos”.

Mas estar triste não é o mesmo que ter depressão. O processo de luto é natural e único para cada indivíduo e compartilha algumas das mesmas características da depressão. Tanto o luto quanto a depressão podem envolver intensa tristeza e afastamento das atividades habituais. Eles também são diferentes em aspectos importantes:

  • No luto, os sentimentos dolorosos vêm em ondas, muitas vezes misturados com lembranças positivas do falecido. Na depressão maior, humor e/ou interesse (prazer) diminuem por mais de duas semanas.
  • No luto, a auto-estima geralmente é mantida. Na depressão maior, sentimentos de inutilidade e auto-aversão são comuns.
  • No luto, pensamentos de morte podem surgir ao pensar ou fantasiar sobre “unir-se” ao ente querido falecido. Na depressão maior, os pensamentos estão focados em acabar com a própria vida por se sentirem inúteis ou indignos de viver ou por serem incapazes de lidar com a dor da depressão.

O luto e a depressão podem coexistir para algumas pessoas, a morte de um ente querido, a perda do emprego ou ser vítima de uma agressão física ou de um grande desastre podem levar à depressão. Quando o luto e a depressão ocorrem simultaneamente, o luto é mais grave e dura mais do que o luto sem depressão.

A distinção entre luto e depressão é importante e pode ajudar as pessoas a obter ajuda, apoio ou o tratamento que precisam.

Fatores de risco para depressão

A depressão pode afetar qualquer pessoa — até mesmo uma pessoa que parece viver em circunstâncias relativamente ideais.

Vários fatores podem desempenhar um papel na depressão:

  • Bioquímica: Diferenças em certas substâncias químicas no cérebro podem contribuir para sintomas de depressão.
  • O estresse crônico, que anda lado a lado ao ambiente, é o principal fator de risco para depressão
  • Genética: a depressão pode ocorrer em famílias. Por exemplo, se um gêmeo idêntico tem depressão, o outro tem 70% de chance de ter a doença em algum momento da vida.
  • Personalidade: Pessoas com baixa auto-estima, que são facilmente subjugadas pelo estresse ou que geralmente são pessimistas parecem ter maior probabilidade de sofrer de depressão.
  • Fatores ambientais: A exposição contínua à violência, negligência, abuso ou pobreza pode tornar algumas pessoas mais vulneráveis ​​à depressão. 
 

Como é tratada a depressão?

A depressão está entre os transtornos mentais mais tratáveis. Entre 80% e 90% das pessoas com depressão eventualmente respondem bem ao tratamento. Quase todos os pacientes obtêm algum alívio de seus sintomas.

Antes de um diagnóstico ou tratamento, um profissional de saúde deve realizar uma avaliação diagnóstica completa, incluindo uma entrevista e um exame físico. Em alguns casos, um exame de sangue pode ser feito para garantir que a depressão não se deva a uma condição médica, como um problema de tireoide ou deficiência de vitaminas (reverter a causa médica aliviaria os sintomas semelhantes aos da depressão). A avaliação identificará sintomas específicos e explorará históricos médicos e familiares, bem como fatores culturais e ambientais com o objetivo de chegar a um diagnóstico e planejar um curso de ação.

A química do cérebro pode contribuir para a depressão de um indivíduo e pode influenciar seu tratamento. Por esse motivo, antidepressivos podem ser prescritos para ajudar a modificar a química do cérebro. Esses medicamentos não são sedativos, “superiores” ou tranqüilizantes. Eles não são formadores de hábito. Geralmente, os medicamentos antidepressivos não têm efeito estimulante em pessoas que não sofrem de depressão.

Os antidepressivos podem produzir alguma melhora na primeira ou segunda semana de uso, mas os benefícios completos vão ser vistos entre dois e três meses. Se um paciente sentir pouca ou nenhuma melhora após várias semanas, seu psiquiatra pode alterar a dose do medicamento, adicionar ou substituir por outro antidepressivo. Em algumas situações, outros medicamentos psicotrópicos podem ser úteis. É importante informar ao seu médico se um medicamento não funcionar ou se você tiver efeitos colaterais. Apesar de frequentes, os colaterais passam a medida que o uso é mantido.

Os psiquiatras geralmente recomendam que os pacientes continuem a tomar a medicação por um ano ou mais após a melhora dos sintomas (em um primeiro episódio depressivo). O tratamento de manutenção de longo prazo pode ser sugerido para diminuir o risco de episódios futuros para certas pessoas de alto risco.

A psicoterapia, ou “terapia pela fala”, às vezes é usada sozinha para o tratamento da depressão leve; para depressão moderada a grave, a psicoterapia costuma ser usada junto com medicamentos antidepressivos. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) tem se mostrado eficaz no tratamento da depressão. A TCC é uma forma de terapia focada na resolução de problemas no presente. A TCC ajuda a pessoa a reconhecer pensamentos distorcidos/negativos com o objetivo de mudar pensamentos e comportamentos para responder aos desafios de maneira mais positiva.

A psicoterapia pode envolver apenas o indivíduo, mas pode incluir outros. Por exemplo, a terapia familiar ou de casal pode ajudar a resolver problemas nesses relacionamentos íntimos. A terapia de grupo reúne pessoas com doenças semelhantes em um ambiente de apoio e pode ajudar o participante a aprender como os outros lidam com situações semelhantes.

Dependendo da gravidade da depressão, o tratamento pode demorar algumas semanas ou muito mais. Em muitos casos, melhora significativa pode ser feita em 10 a 15 sessões.

A ECT é um tratamento médico comumente reservado para pacientes com depressão maior grave que não responderam a outros tratamentos. Envolve uma breve estimulação elétrica do cérebro enquanto o paciente está sob anestesia. Um paciente normalmente recebe ECT duas a três vezes por semana para um total de seis a 12 tratamentos. Geralmente é administrado por uma equipe de profissionais médicos treinados, incluindo um psiquiatra, um anestesiologista e uma enfermeira ou médico assistente. A ECT tem sido usada desde a década de 1940, e muitos anos de pesquisa levaram a grandes melhorias e ao reconhecimento de sua eficácia como um tratamento convencional, em vez de um tratamento de “último recurso”.

Autoajuda e enfrentamento

Há uma série de coisas que as pessoas podem fazer para ajudar a reduzir os sintomas da depressão. Para muitas pessoas, o exercício regular ajuda a criar sentimentos positivos e melhora o humor. Dormir o suficiente com qualidade regularmente, seguir uma dieta saudável e evitar o álcool (um depressor) também pode ajudar a reduzir os sintomas da depressão.

A depressão é uma doença real e a ajuda está disponível. Com diagnóstico e tratamento adequados, a grande maioria das pessoas com depressão a superará. Se você estiver apresentando sintomas de depressão, o primeiro passo é consultar um médico que entenda sobre o assunto. Fale sobre suas preocupações e solicite uma avaliação completa. Este é um começo para atender às suas necessidades de saúde mental.

Condições Relacionadas

  • Depressão pós parto (vai ser abordada em outro artigo)
  • Depressão Sazonal (vai ser abordada em outro artigo)
  • Transtorno Bipolar (vai ser abordado em outro artigo)
  • Transtorno depressivo persistente (anteriormente distimia) (descrição abaixo)
  • Transtorno disfórico pré-menstrual (descrição abaixo)

O PMDD foi adicionado ao Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) em 2013. Uma mulher com PMDD apresenta sintomas graves de depressão, irritabilidade e tensão cerca de uma semana antes do início da menstruação.

Os sintomas comuns incluem alterações de humor, irritabilidade ou raiva, humor deprimido e ansiedade ou tensão acentuadas. Outros sintomas podem incluir diminuição do interesse nas atividades habituais, dificuldade de concentração, falta de energia ou fadiga fácil, alterações no apetite com desejos específicos de comida, dificuldade para dormir ou dormir demais, ou sensação de estar sobrecarregado ou fora de controle. Os sintomas físicos podem incluir sensibilidade ou inchaço nas mamas, dores nas articulações ou músculos, sensação de “inchaço” ou ganho de peso.

Esses sintomas começam uma semana a 10 dias antes do início da menstruação e melhoram ou param no início da menstruação. Os sintomas levam a sofrimento significativo e problemas com funcionamento regular ou interações sociais.

Para um diagnóstico de TDPM, os sintomas devem ter ocorrido na maioria dos ciclos menstruais durante o último ano e devem ter um efeito adverso no trabalho ou no funcionamento social. Estima-se que o transtorno disfórico pré-menstrual afete entre 1,8% a 5,8% das mulheres menstruadas a cada ano.

PMDD pode ser tratado com antidepressivos, pílulas anticoncepcionais ou suplementos nutricionais. Mudanças na dieta e no estilo de vida, como reduzir a cafeína e o álcool, dormir e se exercitar o suficiente e praticar técnicas de relaxamento, podem ajudar.

A síndrome pré-menstrual (TPM) é semelhante ao PMDD, pois os sintomas ocorrem sete a 10 dias antes do início da menstruação da mulher. No entanto, PMS envolve menos sintomas e menos graves do que PMDD.

Uma pessoa com transtorno depressivo persistente (anteriormente referido como transtorno distímico) tem um humor deprimido na maior parte do dia, na maioria dos dias, por pelo menos dois anos. Em crianças e adolescentes, o humor pode ser irritável ou depressivo, e deve persistir por pelo menos um ano.

Além do humor deprimido, os sintomas incluem:

  • Falta de apetite ou comer demais
  • Insônia ou hipersonia
  • Baixa energia ou fadiga
  • Baixa autoestima
  • Pobre concentração ou dificuldade em tomar decisões
  • Sentimentos de desesperança

O transtorno depressivo persistente geralmente começa na infância, adolescência ou início da idade adulta e afeta cerca de 0,5% dos adultos nos Estados Unidos a cada ano. Indivíduos com transtorno depressivo persistente geralmente descrevem seu humor como triste ou “deprimido”. Como esses sintomas se tornaram parte da experiência cotidiana do indivíduo, eles podem não procurar ajuda, apenas presumindo que “sempre fui assim”.

Os sintomas causam sofrimento significativo ou dificuldade no trabalho, atividades sociais ou outras áreas importantes do funcionamento. Embora o impacto do transtorno depressivo persistente no trabalho, nos relacionamentos e na vida diária possa variar amplamente, seus efeitos podem ser tão grandes ou maiores que os do transtorno depressivo maior.

Um episódio depressivo maior pode preceder o início do transtorno depressivo persistente, mas também pode surgir durante (e sobrepor-se a) um diagnóstico prévio de transtorno depressivo persistente.

Os sintomas da depressão podem variar de leve a grave e podem incluir:

  • Sentir-se triste constantemente
  • Perda de interesse ou prazer em atividades antes apreciadas (anedonia)
  • Alterações no apetite – perda ou ganho de peso expressivos
  • Problemas para dormir ou dormir demais
  • Perda de energia ou aumento da fadiga
  • Aumento da atividade física sem propósito (p.
  • Sentir-se inútil ou culpado
  • Dificuldade em pensar, concentrar-se ou tomar decisões
  • Pensamentos de morte ou suicídio

Os sintomas devem durar pelo menos duas semanas e devem representar uma mudança em seu nível anterior de funcionamento para um diagnóstico de depressão.

Além disso, condições médicas (por exemplo, problemas de tireoide, tumor cerebral ou deficiência de vitaminas) podem simular sintomas de depressão, por isso é importante descartar causas médicas gerais. Aqui fazemos uma avaliação completa do nosso paciente.

A depressão afeta cerca de um em cada 15 adultos (6,7%) em um determinado ano. E uma em cada seis pessoas (16,6%) experimentará depressão em algum momento de sua vida. A depressão pode ocorrer a qualquer momento, mas, em média, aparece pela primeira vez no final da adolescência até meados dos 20 anos. As mulheres são mais propensas do que os homens a sofrer de depressão. Alguns estudos mostram que um terço das mulheres experimentará um episódio depressivo maior em sua vida. Existe um alto grau de hereditariedade (aproximadamente 40%) quando parentes de primeiro grau (pais/filhos/irmãos) apresentam depressão.

Depressão é diferente de tristeza ou luto/luto

A morte de um ente querido, a perda de um emprego ou o fim de um relacionamento são experiências difíceis para uma pessoa suportar. É normal que sentimentos de tristeza ou pesar se desenvolvam em resposta a tais situações. Aqueles que experimentam perdas muitas vezes podem se descrever como “deprimidos”.

Mas estar triste não é o mesmo que ter depressão. O processo de luto é natural e único para cada indivíduo e compartilha algumas das mesmas características da depressão. Tanto o luto quanto a depressão podem envolver intensa tristeza e afastamento das atividades habituais. Eles também são diferentes em aspectos importantes:

  • No luto, os sentimentos dolorosos vêm em ondas, muitas vezes misturados com lembranças positivas do falecido. Na depressão maior, humor e/ou interesse (prazer) diminuem por mais de duas semanas.
  • No luto, a auto-estima geralmente é mantida. Na depressão maior, sentimentos de inutilidade e auto-aversão são comuns.
  • No luto, pensamentos de morte podem surgir ao pensar ou fantasiar sobre “unir-se” ao ente querido falecido. Na depressão maior, os pensamentos estão focados em acabar com a própria vida por se sentirem inúteis ou indignos de viver ou por serem incapazes de lidar com a dor da depressão.

O luto e a depressão podem coexistir para algumas pessoas, a morte de um ente querido, a perda do emprego ou ser vítima de uma agressão física ou de um grande desastre podem levar à depressão. Quando o luto e a depressão ocorrem simultaneamente, o luto é mais grave e dura mais do que o luto sem depressão.

A distinção entre luto e depressão é importante e pode ajudar as pessoas a obter ajuda, apoio ou o tratamento que precisam.

Fatores de risco para depressão

A depressão pode afetar qualquer pessoa — até mesmo uma pessoa que parece viver em circunstâncias relativamente ideais.

Vários fatores podem desempenhar um papel na depressão:

  • Bioquímica: Diferenças em certas substâncias químicas no cérebro podem contribuir para sintomas de depressão.
  • O estresse crônico, que anda lado a lado ao ambiente, é o principal fator de risco para depressão
  • Genética: a depressão pode ocorrer em famílias. Por exemplo, se um gêmeo idêntico tem depressão, o outro tem 70% de chance de ter a doença em algum momento da vida.
  • Personalidade: Pessoas com baixa auto-estima, que são facilmente subjugadas pelo estresse ou que geralmente são pessimistas parecem ter maior probabilidade de sofrer de depressão.
  • Fatores ambientais: A exposição contínua à violência, negligência, abuso ou pobreza pode tornar algumas pessoas mais vulneráveis ​​à depressão. 
 

Como é tratada a depressão?

A depressão está entre os transtornos mentais mais tratáveis. Entre 80% e 90% das pessoas com depressão eventualmente respondem bem ao tratamento. Quase todos os pacientes obtêm algum alívio de seus sintomas.

Antes de um diagnóstico ou tratamento, um profissional de saúde deve realizar uma avaliação diagnóstica completa, incluindo uma entrevista e um exame físico. Em alguns casos, um exame de sangue pode ser feito para garantir que a depressão não se deva a uma condição médica, como um problema de tireoide ou deficiência de vitaminas (reverter a causa médica aliviaria os sintomas semelhantes aos da depressão). A avaliação identificará sintomas específicos e explorará históricos médicos e familiares, bem como fatores culturais e ambientais com o objetivo de chegar a um diagnóstico e planejar um curso de ação.

A química do cérebro pode contribuir para a depressão de um indivíduo e pode influenciar seu tratamento. Por esse motivo, antidepressivos podem ser prescritos para ajudar a modificar a química do cérebro. Esses medicamentos não são sedativos, “superiores” ou tranqüilizantes. Eles não são formadores de hábito. Geralmente, os medicamentos antidepressivos não têm efeito estimulante em pessoas que não sofrem de depressão.

Os antidepressivos podem produzir alguma melhora na primeira ou segunda semana de uso, mas os benefícios completos vão ser vistos entre dois e três meses. Se um paciente sentir pouca ou nenhuma melhora após várias semanas, seu psiquiatra pode alterar a dose do medicamento, adicionar ou substituir por outro antidepressivo. Em algumas situações, outros medicamentos psicotrópicos podem ser úteis. É importante informar ao seu médico se um medicamento não funcionar ou se você tiver efeitos colaterais. Apesar de frequentes, os colaterais passam a medida que o uso é mantido.

Os psiquiatras geralmente recomendam que os pacientes continuem a tomar a medicação por um ano ou mais após a melhora dos sintomas (em um primeiro episódio depressivo). O tratamento de manutenção de longo prazo pode ser sugerido para diminuir o risco de episódios futuros para certas pessoas de alto risco.

A psicoterapia, ou “terapia pela fala”, às vezes é usada sozinha para o tratamento da depressão leve; para depressão moderada a grave, a psicoterapia costuma ser usada junto com medicamentos antidepressivos. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) tem se mostrado eficaz no tratamento da depressão. A TCC é uma forma de terapia focada na resolução de problemas no presente. A TCC ajuda a pessoa a reconhecer pensamentos distorcidos/negativos com o objetivo de mudar pensamentos e comportamentos para responder aos desafios de maneira mais positiva.

A psicoterapia pode envolver apenas o indivíduo, mas pode incluir outros. Por exemplo, a terapia familiar ou de casal pode ajudar a resolver problemas nesses relacionamentos íntimos. A terapia de grupo reúne pessoas com doenças semelhantes em um ambiente de apoio e pode ajudar o participante a aprender como os outros lidam com situações semelhantes.

Dependendo da gravidade da depressão, o tratamento pode demorar algumas semanas ou muito mais. Em muitos casos, melhora significativa pode ser feita em 10 a 15 sessões.

A ECT é um tratamento médico comumente reservado para pacientes com depressão maior grave que não responderam a outros tratamentos. Envolve uma breve estimulação elétrica do cérebro enquanto o paciente está sob anestesia. Um paciente normalmente recebe ECT duas a três vezes por semana para um total de seis a 12 tratamentos. Geralmente é administrado por uma equipe de profissionais médicos treinados, incluindo um psiquiatra, um anestesiologista e uma enfermeira ou médico assistente. A ECT tem sido usada desde a década de 1940, e muitos anos de pesquisa levaram a grandes melhorias e ao reconhecimento de sua eficácia como um tratamento convencional, em vez de um tratamento de “último recurso”.

Autoajuda e enfrentamento

Há uma série de coisas que as pessoas podem fazer para ajudar a reduzir os sintomas da depressão. Para muitas pessoas, o exercício regular ajuda a criar sentimentos positivos e melhora o humor. Dormir o suficiente com qualidade regularmente, seguir uma dieta saudável e evitar o álcool (um depressor) também pode ajudar a reduzir os sintomas da depressão.

A depressão é uma doença real e a ajuda está disponível. Com diagnóstico e tratamento adequados, a grande maioria das pessoas com depressão a superará. Se você estiver apresentando sintomas de depressão, o primeiro passo é consultar um médico que entenda sobre o assunto. Fale sobre suas preocupações e solicite uma avaliação completa. Este é um começo para atender às suas necessidades de saúde mental.

Condições Relacionadas

  • Depressão pós parto (vai ser abordada em outro artigo)
  • Depressão Sazonal (vai ser abordada em outro artigo)
  • Transtorno Bipolar (vai ser abordado em outro artigo)
  • Transtorno depressivo persistente (anteriormente distimia) (descrição abaixo)
  • Transtorno disfórico pré-menstrual (descrição abaixo)

O PMDD foi adicionado ao Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) em 2013. Uma mulher com PMDD apresenta sintomas graves de depressão, irritabilidade e tensão cerca de uma semana antes do início da menstruação.

Os sintomas comuns incluem alterações de humor, irritabilidade ou raiva, humor deprimido e ansiedade ou tensão acentuadas. Outros sintomas podem incluir diminuição do interesse nas atividades habituais, dificuldade de concentração, falta de energia ou fadiga fácil, alterações no apetite com desejos específicos de comida, dificuldade para dormir ou dormir demais, ou sensação de estar sobrecarregado ou fora de controle. Os sintomas físicos podem incluir sensibilidade ou inchaço nas mamas, dores nas articulações ou músculos, sensação de “inchaço” ou ganho de peso.

Esses sintomas começam uma semana a 10 dias antes do início da menstruação e melhoram ou param no início da menstruação. Os sintomas levam a sofrimento significativo e problemas com funcionamento regular ou interações sociais.

Para um diagnóstico de TDPM, os sintomas devem ter ocorrido na maioria dos ciclos menstruais durante o último ano e devem ter um efeito adverso no trabalho ou no funcionamento social. Estima-se que o transtorno disfórico pré-menstrual afete entre 1,8% a 5,8% das mulheres menstruadas a cada ano.

PMDD pode ser tratado com antidepressivos, pílulas anticoncepcionais ou suplementos nutricionais. Mudanças na dieta e no estilo de vida, como reduzir a cafeína e o álcool, dormir e se exercitar o suficiente e praticar técnicas de relaxamento, podem ajudar.

A síndrome pré-menstrual (TPM) é semelhante ao PMDD, pois os sintomas ocorrem sete a 10 dias antes do início da menstruação da mulher. No entanto, PMS envolve menos sintomas e menos graves do que PMDD.

Uma pessoa com transtorno depressivo persistente (anteriormente referido como transtorno distímico) tem um humor deprimido na maior parte do dia, na maioria dos dias, por pelo menos dois anos. Em crianças e adolescentes, o humor pode ser irritável ou depressivo, e deve persistir por pelo menos um ano.

Além do humor deprimido, os sintomas incluem:

  • Falta de apetite ou comer demais
  • Insônia ou hipersonia
  • Baixa energia ou fadiga
  • Baixa autoestima
  • Pobre concentração ou dificuldade em tomar decisões
  • Sentimentos de desesperança

O transtorno depressivo persistente geralmente começa na infância, adolescência ou início da idade adulta e afeta cerca de 0,5% dos adultos nos Estados Unidos a cada ano. Indivíduos com transtorno depressivo persistente geralmente descrevem seu humor como triste ou “deprimido”. Como esses sintomas se tornaram parte da experiência cotidiana do indivíduo, eles podem não procurar ajuda, apenas presumindo que “sempre fui assim”.

Os sintomas causam sofrimento significativo ou dificuldade no trabalho, atividades sociais ou outras áreas importantes do funcionamento. Embora o impacto do transtorno depressivo persistente no trabalho, nos relacionamentos e na vida diária possa variar amplamente, seus efeitos podem ser tão grandes ou maiores que os do transtorno depressivo maior.

Um episódio depressivo maior pode preceder o início do transtorno depressivo persistente, mas também pode surgir durante (e sobrepor-se a) um diagnóstico prévio de transtorno depressivo persistente.

Responsável Técnica (Médica Psiquiatra)

Dagmar Fátima de Abreu

CRM 12388 MG - RQE 20249

Médicos

Renata Gandini Vieira

CRM 219304 SP

Mateus Abreu

CRM 89663 MG

São Paulo

Atendimento ao cliente

Email: contato@alternamentesaude.com

Horários de atendimento

Seguna a sexta:
08:00 ás 18:00

Sábado:
08:00 ás 12:00

Selos de confiança